segunda-feira, 27 de outubro de 2008

O script do Arquiteto

The Architect Script

This is the script in the Matrix: Reloaded where the Architecht speaks to Neo. It went by so fast that a lot of people didn't understand what he said. So here you go:

The Architect - Hello, Neo.

Neo - Who are you?

The Architect - I am the Architect. I created the matrix. I've been waiting for you. You have many questions, and although the process has altered your consciousness, you remain irrevocably human. Ergo, some of my answers you will understand, and some of them you will not. Concordantly, while your first question may be the most pertinent, you may or may not realize it is also irrelevant.

Neo - Why am I here?

The Architect - Your life is the sum of a remainder of an unbalanced equation inherent to the programming of the matrix. You are the eventuality of an anomaly, which despite my sincerest efforts I have been unable to eliminate from what is otherwise a harmony of mathematical precision. While it remains a burden to sedulously avoid it, it is not unexpected, and thus not beyond a measure of control. Which has led you, inexorably, here.

Neo - You haven't answered my question.

The Architect - Quite right. Interesting. That was quicker than the others.

*The responses of the other Ones appear on the monitors: "Others? What others? How many? Answer me!"*

The Architect - The matrix is older than you know. I prefer counting from the emergence of one integral anomaly to the emergence of the next, in which case this is the sixth version.

*Again, the responses of the other Ones appear on the monitors: "Five versions? Three? I've been lied too. This is bullshit."*

Neo: There are only two possible explanations: either no one told me, or no one knows.

The Architect - Precisely. As you are undoubtedly gathering, the anomaly's systemic, creating fluctuations in even the most simplistic equations.

*Once again, the responses of the other Ones appear on the monitors: "You can't control me! F*ck you! I'm going to kill you! You can't make me do anything!*

Neo - Choice. The problem is choice.

*The scene cuts to Trinity fighting an agent, and then back to the Architect's room*

The Architect - The first matrix I designed was quite naturally perfect, it was a work of art, flawless, sublime. A triumph equaled only by its monumental failure. The inevitability of its doom is as apparent to me now as a consequence of the imperfection inherent in every human being, thus I redesigned it based on your history to more accurately reflect the varying grotesqueries of your nature. However, I was again frustrated by failure. I have since come to understand that the answer eluded me because it required a lesser mind, or perhaps a mind less bound by the parameters of perfection. Thus, the answer was stumbled upon by another, an intuitive program, initially created to investigate certain aspects of the human psyche. If I am the father of the matrix, she would undoubtedly be its mother.

Neo - The Oracle.

The Architect - Please. As I was saying, she stumbled upon a solution whereby nearly 99.9% of all test subjects accepted the program, as long as they were given a choice, even if they were only aware of the choice at a near unconscious level. While this answer functioned, it was obviously fundamentally flawed, thus creating the otherwise contradictory systemic anomaly, that if left unchecked might threaten the system itself. Ergo, those that refused the program, while a minority, if unchecked, would constitute an escalating probability of disaster.

Neo - This is about Zion.

The Architect - You are here because Zion is about to be destroyed. Its every living inhabitant terminated, its entire existence eradicated.

Neo - Bullshit.

*The responses of the other Ones appear on the monitors: "Bullshit!"*

The Architect - Denial is the most predictable of all human responses. But, rest assured, this will be the sixth time we have destroyed it, and we have become exceedingly efficient at it.

*Scene cuts to Trinity fighting an agent, and then back to the Architects room.*

The Architect - The function of the One is now to return to the source, allowing a temporary dissemination of the code you carry, reinserting the prime program. After which you will be required to select from the matrix 23 individuals, 16 female, 7 male, to rebuild Zion. Failure to comply with this process will result in a cataclysmic system crash killing everyone connected to the matrix, which coupled with the extermination of Zion will ultimately result in the extinction of the entire human race.

Neo - You won't let it happen, you can't. You need human beings to survive.

The Architect - There are levels of survival we are prepared to accept. However, the relevant issue is whether or not you are ready to accept the responsibility for the death of every human being in this world.

*The Architect presses a button on a pen that he is holding, and images of people from all over the matrix appear on the monitors*

The Architect - It is interesting reading your reactions. Your five predecessors were by design based on a similar predication, a contingent affirmation that was meant to create a profound attachment to the rest of your species, facilitating the function of the one. While the others experienced this in a very general way, your experience is far more specific. Vis-a-vis, love.

*Images of Trinity fighting the agent from Neo's dream appear on the monitors*

Neo - Trinity.

The Architect - Apropos, she entered the matrix to save your life at the cost of her own.

Neo - No!

The Architect - Which brings us at last to the moment of truth, wherein the fundamental flaw is ultimately expressed, and the anomaly revealed as both beginning, and end. There are two doors. The door to your right leads to the source, and the salvation of Zion. The door to the left leads back to the matrix, to her, and to the end of your species. As you adequately put, the problem is choice. But we already know what you're going to do, don't we? Already I can see the chain reaction, the chemical precursors that signal the onset of emotion, designed specifically to overwhelm logic, and reason. An emotion that is already blinding you from the simple, and obvious truth: she is going to die, and there is nothing that you can do to stop it.

*Neo walks to the door on his left*

The Architect - Humph. Hope, it is the quintessential human delusion, simultaneously the source of your greatest strength, and your greatest weakness.

Neo - If I were you, I would hope that we don't meet again.

The Architect - We won't.

Visions of the Same Destiny

O caminhão de lixo passa no parque

Um mendigo recebe caridade

Uma árvore morre lentamente

Um balanço para dois repousa

O rio à sua proximidade

Olham para uma rosa

Um casal de anjos suavemente

Semi-alados, sempre de mãos dadas

Rosa-clara, nasce ao lado 

da mesa de xadrez feita de pedra.

A thunder flashes the sky

Over the hill where a red flag stands

Two kids fighting for a toy

A dirty single sway

The river is restless

And the red rose prays

For those kids to not step over herself

While Aphrodite rests near the blue flag

But nothing is good or bad enough for the days

To stop shining one after the other

Over her

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Eu me masturbo pensando em mim mesmo.

Ervaring, meu caro. Ervaring... A melhor coisa que já aconteceu na minha vida. Graças à ela pude perceber que eu sou demais. Sim, eu sou muito foda!
Pensei comigo mesmo hoje. Tudo seria sublime se pudessemos agir apenas pela vontade, esquecendo os medos, os receios e os preconceitos. Mas para chegarmos a esse estado, teriamos que ser totalmente bom senso, para fazer tudo sem ter medo de dar umas cagadas. E é isso que nós devemos buscar em nossas vidas. imagine, como tudo seria muito mais bonito se dependesse apenas do coração, e não da razão. Talvez isso mereça uma maior atenção no futuro...Para alcançar o referido estagio, temos um sério empecilho. O ser humano se importa com o que dizem ou pensam sobre ele.
Eu vou dizer que avancei um estágio importante. Eu darei a liberdade para que as pessoas pensem ou falem de mim o que bem entenderem. Eu não vou fazer o mínimo esforço para provar o contrário, eu não devo nada a ninguém. O que eu vou fazer é o que eu acho que é certo, tudo que me ensinaram nesses 20 anos e eu absorvi. A partir de agora, eu me contento em ser o que eu sou, e não me importa nem um pouco se têm uma impressão errada sobre mim, não vou tirar o direito de ninguém de te-la.
Com a ervaring eu aprendi a me amar, e me amar muito. Revisitei todas as minhas qualidades, e descobri enúmeras que eu nem conhecia. Se eu fosse uma fã da Lumino', daria pro Gabriel Martins, com certeza! Mas eu tenho um defeito chato (quem não tem?), eu sou pessimista, e isso me leva a ser intimista, e outras coisas mais...
Eu aprendi a viver sem precisar confiar em ninguém. Mas mesmo sabendo que essa minha auto-suficiencia me levaria à imunidade emocional, eu descobri que uma vida sem ter em quem confiar não faz sentido. Tudo seria padrões, normas e protocolos. Onde está a beleza da vida? Simplesmente não existiria.
Eu vivo denovo, e de novo, a cada dia, e hoje me orgulho ainda mais do que ontem de ser quem sou e ter o caráter que tenho.

Ouvindo: Switchfoot - Meant to Live

domingo, 19 de outubro de 2008

Paradise Lost

Paradise Lost
Symphony X

In the cold misty morning
Gleaming rays awake the dawn
Here I stand, a stranger in this land
Does your conscience betray you?
Falling from grace
Feel the sun on my face
Does desire still hold true?

Mystified by her beauty
Does the hunter pity his pray
Under starless skies
All love must die, and fade way

Take my hand, divine or damned
Make a stand, seize the day
Oh, yours or mine, damned of divine
Draw the line, come what may

Looking down from ethereal skies
Silent crystalline tears I cry
For all must say their last goodbye
To Paradise...

My yearning is silenced by angelic skin of white
Love conquers all though heaven's fall
This fateful night

Oh, yours or mine, damned of divine
Draw the line, serpentine

Love is a tragedy
All that I have, all that I'll ever need
Is right here inside
Let the winds of freedom be my guide

Looking down from ethereal skies
Silent crystalline tears I cry
For all must say their last goodbye
To Paradise...

Looking down from ethereal skies
Silent crystalline tears I cry
For all must say their last goodbye
To Paradise...
Say goodbye, goodbye, horror.

So I've cheated and I've lied
Been the victim of foolish pride
And I've begged and I've crawled
And I've battled it and bled for it all
Now I'll savor the downfall
Of Paradise..

Looking down from ethereal skies
Silent crystalline tears I cry
For all will say their last goodbye
To Paradise...

quarta-feira, 15 de outubro de 2008


Conhecemos então um modo novo de curiosidade: a dúvida.

Trata-se de uma vontade de saber do que se trata, que pode arruinar vidas.
A dúvida das mensagens indiretas, a dúvida do que as pessoas com as quais você não vai com a cara podem falar mal de você, a dúvida mesmo do que os seus melhores amigos pensam de você ou de si próprios, mesmo a dúvida do que sua alma gêmea pensa de você...

São criadas por inconsistências no curso tomado pelos fatos, em relação ao esperado. São alimentadas por frases ou outras ações desconexas, duvidosas, ou outras dúvidas. Podem ser torturantes. Terminam com alguma ação precipitada, talvez até desesperada do sujeito em dúvida, ou com sorte e paciência, se resolvendo em nada mais que um simples detalhe mal enxergado, ou algo parecido.

Imagine-se num caso de vida ou morte. A dúvida da morte pode ser amedrontadora, e a certeza da morte torturante, ambas são agravadas com o aumento do seu tempo de duração. Qual é a pior? A certeza te dá chance para usar seu sacrifício em prol de alguma coisa. A dúvida te dá esperança de um final feliz. Ou te rouba a ação através do medo, o que torna as coisas um pouco mais difíceis na maioria dos casos.

Sonhei hoje que estava em uma casa grande. Começava com minha família em o que parecia ser a garagem ou o depósito, e fugíamos de algo que parecia ser ameaçador, no qual se atravessássemos a porta e déssemos de cara com algum ser, daria merda pra gente.
Logo após, por algum motivo, já me encontrava fora do aposento, teria atravessado a porta e não teria ninguém me perseguindo, na verdade. "Me", eu digo, pois já não me encontrava mais com minha família, e sim com meus amigos. Estranho, pois ali estavam alguns amigos que eu não tenho contato quase algum, e faltavam outros que são quase unânimes na hora de sair com a galera.
Íamos pela casa, escura, de noite, apenas a luz fraca da cozinha acesa. Reconheci a casa como sendo a do meu alter ego maligno que se manifesta apenas em sonhos. Após isso, prosseguíamos em silêncio furtivo pela casa, sala era um breu, e, apesar de ainda estarmos fugindo, o clima era de sacanagem(menos comigo). Um pouco além, chegávamos numa bela piscina e uma mesa que mais parecia um stand de propaganda de um novo produto da nestlê, ou algo assim, com umas guloseimas na mesa, das quais não me recordo quais eram.
Uma senhorita estranha, com a aparência meio esverdeada(como se aumentasse o verde no photoshop) surgia nesse local, causando um leve espanto, o espanto da descoberta dos ladrõezinhos(por assim dizer, não sei do que fugíamos) e ela dizia palavras estranhas, mas que de certo modo fazia o espanto passar. Ela tentava nos convencer de alguma coisa, como uma propaganda mesmo, mas apesar de ter comida no papo dela, tava mais pra uma receita de feitiço do que uma propaganda da nestlê, de fato. Só lembro dela falar algo sobre sangue de feijão.(WTF?)
Depois um anjo me encontrava e por algum motivo que só o destino sabe me fazia lembrar de uma sensação estranha, que eu não tenho desde que eu era criança.

"Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar. "

Esse post foi editado pois saiu com um erro, então a hora do post é a hora do edit. Esse post é de quinta-feira.

sábado, 11 de outubro de 2008

Sobre a Magia [2/4/2006]

Aff... Insônia.
Um mal comum a muitos de nós curiosos, blogueiros, internautas. Bem, tive sono, fui me preparar pra durmir, enrolei, talvez enrolei por preguiça, talvez preguiça por ter sono, enfim, eu tive sono, mas acabou por passar do meu horário de durmir e perdi o maldito sono. Como eu estou tussindo que nem uma vaca no cio, o que atrapalha um pouco o sono e desanima o assunto, e tenho um hd novo de 300gb pra cuspir dados inúteis... Resolvi ficar um pouco aqui.

Vasculhando e reorganizando meus arquivos, eis que acho um texto já muito antigo meu. Eu tinha um site, no hpg, muito velho, de conteúdo pessoal mesmo, como o comum da época. Era meio estranho, cada um ia e fazia um site com as músicas que gostava em mp3, uns programas, jogos, textos hacker, quem sabe algo sobre magia negra. O clássico estereótipo do sobrinho que faz sitezinho pra mostrar pra galera, era mais ou menos assim na época. Se é que algum sujeito com mais de 30 anos lê isso aqui, talvez possa dizer, aposto que qualquer um dessa faixa de idade pra cima que sabe o que é um site tem ou já teve um sobrinho que fez um site. Aliás, bons tempos em que era ridículo "zuar" um pc através do ICQ... =p

Na verdade, a data desse texto não é a data original na qual ele foi escrito, apesar de isso não fazer a menor diferença. Quer dizer, talvez a credibilidade do texto diminua um pouco, visto que ele é mais velho que isso, e sendo assim o autor era mais novo e bundão na época. A data que está ali é a data que o Hpg fudeu meu subdomínio e eu mudei pro - nem sei se essas bostas existem ainda.

Enfim, me deu vontade de postar a porra do texto aqui, se eu não fizer, há uma probabilidade de eu o perder, por falta de organização ou qualquer outra coisa.
Aí vai. É meio comprido.


E então, de repente funciona. A questão do meu estudo não é se funciona ou não, mas o quê funciona. Aliás, essa ERA a questão, agora ela passa a ser porquê ela funciona. Falo da magia. Os rituais levam a resultados positivos se o procedimento é feito com fé e responsabilidade, seriedade.
Esse negócio de “vou testar pra ver se funciona” NÃO funciona, de fato, porque quando se faz teste, obviamente se assume uma posição cética, e eu acabei de falar que para que ela funcione precisa se ter fé.
Pior que é por isso que muita gente não acredita – você simplesmente acredita, e ela funciona. Você não acredita e ela não funciona. Não há meio termo. Não há como provar que ela funciona, você tem que confiar em alguém que diga isso. Ou então ser criado para acreditar nisso.
E aí vem o pensamento da parte dos céticos de que os magos são malucos. Realmente são, não há como negar. Como você acredita em algo sem a menor evidência de sua existência?
Na verdade, há como provar sim. O fato é que existem formas de magia, usadas para iniciantes e que não gastam muita energia do usuário, não requerem materias difíceis de se conseguir. A Wicca está cheia delas. Mas existem magias que são capazes de furar a casca dos céticos. Vou comparar o mago foda a um hacker, e o cético, um usuário com certa proteção navegando na internet.
Veja: O usuário é o Cético. Ele se protege atrás de sua firewall, que é bem configurada. Porém, este usuário não tem grandes conhecimentos sobre seguranças de redes, ele apenas conhece o programa superficialmente.
As magias fraquinhas wiccanas tendem a pedir permissão desta firewall para estabelecer conexão(o que é muito comum em programas P2P e clientes messenger) entre as mentes do mago e da vítima. Daí, o firewall não quer nem saber de conversa – bloqueia.
Mas, se um hacker experiente usa uma ferramenta poderosa para burlar essa firewall, este usuário, que não acredita em magia e não tem o menor conhecimento sobre ela, não saberia o que fazer em situações como esta.
É basicamente o que pode acontecer. Perceba que na magia wicca, a maioria das técnicas são reflexivas, isto é, atingem o próprio mago: Como ficar mais sensual, como ter mais empatia com plantas e animais, etc... Ora pressupõe-se que para conversar com animais e plantas seja louco. Isso é o suficiente para acreditar em magia, mas como eu já falei algumas vezes que o mago é louco, tanto faz. Mas perceba: as magias não encontram “firewall” no caminho, elas simplesmente visam o próprio mago. Se ele tiver fé e fizer certinho, funciona com certeza, porque não há firewall(já tá chato isso de firewall). Mas se ele não tiver fé, eu já disse que não ia funcionar mesmo. Nem com nem sem firewall. E chega de firewall – ao que realmente interessa.
As magias wiccanas são beeem mais fáceis de se fazer. Você pode encontrar a maioria dos ingredientes necessários para uma poção simples no supermercado, e pode achar a fórmula dela em qualquer sitezinho desses aí na internet. Tem um monte. E também não requerem muito do mago não.
Mas se você quer algo destrutivo mesmo, que passe por todo firewall(QUASE todos), informe-se sobre as magias satânicas, são cipriano, aleister crowley e eliphas levi(Nessa página ainda pretendo colocar pdf's sobre).
Porém, acredito que você vai parar no passo de se informar. Hehehe, conseguir uma caveira humana não é tão fácil como algumas folhas de hera.
Também não é muito moral “matar um gato preto, retirar seus 2 olhos, acomodá-los dentro de um ovo de galinha preta cada um, deitar os ovos com os olhos em estrume de boi e ir regar toda meia-noite”. Nem tampouco é aterrorizante. Nem um pouco. Pra você cético que não acredita em fantasmas, hehehe, vá dar uma regada dessa... SE você voltar, só não vire evangélico, pelo amor de deus(não entenda mal....)
Essas magias normalmente furam as barreiras comuns do dia-a-dia(é porque eu falei que não ia falar firewall mais). É impressionante como existem magias que funcionam com semelhança às ferramentas hacker.
Você já ouviu falar em proxy? É um servidor intermediário entre você e o site o qual você visita. Isso faz com que quando o administrador site acesse o registro contendo o ip de quem visitou o site dele ao invés dele ver o seu ip, ele vê o do proxy. É uma forma de anonimidade na internet, você “engana” quem quiser te identificar, como se fosse falsidade ideológica digital, mas anonimidade na net não é crime não.
Você já ouviu falar na mágica das favas? Hehehe... ela é igualzinho a um proxy. Você põe ela na boca e ela te deixa invisível. Você está lá, o seu corpo e sua alma, mas o ip que os outros identificam não é o seu(seria o ip da fava no caso). Pode soar muito estranho e fantasioso, mas diga-me: você já viu alguém usando a fava no meio da rua? Claro que não... hehehe Afinal você não acredita em nada disso. Mas como você iria saber que funciona ou não? O propósito dela não é anonimar? Hehehe de novo.
Há uma porção de mágicas wiccanas para o amor. Perceba que a maioria delas é para um amor, e não aqueeele amor. Com a magia que o católico chama de negra é possível escolher qualquer vítima. Só é mais difícil de se conseguir.
E isso faz a magia ser provável, uma vez que ela funciona com os que não tem fé nela também. Bom, quero ver alguém matar uns gatos e umas galinhas, acender umas velas e chamar uns nomes só pra provar que magia “ekzisssste”. Ora, Magos não são loucos? Ei, você é cristão e diz isso? Você acredita em céu e inferno! E em anjo! Um maluco falando do louco!
Queria comentar também a respeito da coloração da magia. Magia branca, negra, cinza-clara, azul-bebê, rosa shock, verde-diarréia e marrom-merda-molhada. Bem colega, se você é iniciante em magia, e te ensinaram assim, um abraço, você foi vítima da catequização. Mas quem não foi? Isso é perfeitamente aceitável.
Mas vamos a um esclarecimento: Magia é magia e não tem cor. Aliás, a cor é dependente um fenômeno físico ótico chamado reflexão luminosa. Magia nem sequer é visível, ou seja, esqueça. Na verdade, essa colorização gay da magia foi introduzida na wicca para criar uma certa moralidade à religião, que por ser baseada no Thelema de Crowley, tem por princípio “faça o que tu queres”. A versão deles, que emprega valores emprestados do cristianismo, meio que restringe isso, dizendo “faça o que tu queres, e receberá o triplo em retorno”, de maneira que faça coisa ruim ou boa, merecerá uma recompensa respectiva(porém é óbvio que as coisas não acontecem tão justas assim).
Daí, criou-se um sistema de diferenciação para os ramos da magia conforme sua linha de ação, utilizando-se de cores. A magia branca é a que não faz mal ou protege contra o mal. A negra é a que faz mal ou utiliza-se dele para ser feita(“mal” significando macabreidade), ou simplesmente porque tenta o mago ao pecado ou tanto faz. A magia azul ou cinza é a que tanto faz o bem quanto o mal. Há também a magia sexual vermelha(uma forma de chamar a hermético-gnóstica toscamente), onde os rituais focalizam a energia sexual como fonte, mais óbvio impossível, e a magia ritualística roxa, que é uma farofada só: a mistura da azul com a vermelha.
A visão da magia por essa maneira pode tanto ajudar a entendê-la como transformá-la em malvista pela sociedade, que tem a péssima mania de rotular as coisas, ESPECIALMENTE às que não lhe dizem respeito quanto no conhecimento. Isso me dá muita raiva e tristeza. Porque será que as pessoas que menos estão aptas a julgar as coisas é que o fazem?
Ridículo, mas é o que acontece. Muitos católicos nada sabem sobre bíblia e vem querer falar mal da magia negra, mas não tão nem aí para a magia branca. Já disse, é uma coisa só. Como é, pode ou não pode? FODA-SE, a lei diz que eu posso.
Melhor ainda são os evangélicos. Não têm paciência pra ler alguns livros simples mas adoram meter o bico pra defender um livro tão grosso, conotativo e mais mal-traduzido impossível. Desprezível. Se essa favelada remelenta medíocre e nojenta é o povo de deus, deus tá fudido hauhauahu. Acho às vezes que isso é mania de brasileiro. A macacada que menos sabe do assunto é a que mais fala, ao invés de calar a boca e ver se aprende. No Japão não acontece bem assim. Eles são humildes para aprender com qualquer um, e não falam muito mais do que o necessário. Claro que há excessões, mas no geral é assim(sei lá, colonização portuguesa).
Magia negra(que nunca deixou de ser magia, e magia branca, preta ou qualquer cor possível é tudo farinha do mesmo saco)é visto praticamente como um crime pela sociedade. Mas a magia branca não, ela ganhou até uma revista, a “Witch”, que embora tenha alguma coisa lá ainda que com paciência se pode aproveitar, no geral é um lixo(sim, eu já li sim). Compre uma Superinteressante que é bem mais útil.
Quando falo na sociedade, me refiro à brasileira, que é cristã em sua esmagadora maioria. Logo, como se fosse genética, os valores morais cristãos são absolutos. Esse é o grande erro. Ser cristão não é ruim, mas se você quiser julgar um pagão, você não pode pensar como um cristão, porque os valores morais são diferentes. Entenda bem: Matar é errado? É?
Porque será que você respondeu isso... deixe-me ver, porque este é um dos 10 mandamentos, não matarás. Mas neeem pelo caralho, se eu vejo o bispo macedo na rua eu arranco o cérebro dele introduzindo uma colher no seu orifício retal. Isto é: matar só é errado porque seu valor cristão diz que é, então não julgue um ritual de magia negra como errado só porque há sacrifício de animais. E além disso, é esse mesmo princípio que atrasa o Brasil bastante às vezes. Garanto que uma dúzia de políticos corruptos mortos não ia fazer mal a ninguém.
Voltando ao principal assunto ao qual pareço ter me desvirtuado, no topo da página deixo uns pdf's pra quem é curioso, praticante ou simples estudante. Venha com o coração e a bunda livres de valores não aplicáveis à situação e não tenha medo do que não te atinge...

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Reprogramação do P de PNL

Há dez corvos no telhado de uma casa. Um caçador atira em um deles com sua espingarda. Quantos corvos ficaram no telhado?
Pensem nisso por um momento antes de continuar a leitura.

Claro que a resposta lógica é nove corvos. Qualquer computador nos diria isso.
Na verdade, a resposta 'certa' é dez.

A arma silenciou e o telhado era plano. O corvo morto tombou e os outros nove corvos não perceberam. Mas, espere um pouco: suponha que a arma não foi silenciada e o telhado era inclinado? Então a resposta seria nenhum corvo, porque o corvo morto escorregaria para fora e os outros, assustados pelo ruído do tiro fugiriam voando.

Estas são as perguntas que se apresentam na vida real. A vida real não funciona com respostas simples ou complexas, ou perguntas contextuais. A vida real não funciona como um computador digital e seu cérebro também não.
Em um teste de QI a resposta 'certa' seria nove, mas nove é apenas uma resposta, há outras maneiras de pensar nisto. O raciocínio lógico não é o mesmo que o pensamento normal. Reflita e observe como seu cérebro mudou de direção quando você percebeu que isso não era um teste de QI.

O contexto todo do problema determina como pensar. O contexto faz parte da informação. A grande inspiração, a idéia nova raramente é resultado do pensamento lógico. O pensamento lógico é quase uma contradição em termos. De fato, os seres humanos não são muito bons para pensar logicamente.

As leis do pensamento não são as leis da lógica.

Trecho do artigo de Joseph O'Connor e Brian Van der Horst.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Black is the Common Flag

Outro dia, enquanto assistia ao horário político, minha mãe fez o seguinte comentário sobre o PSTU: "Eles são muito radicais né?". Tudo bem, eu sei que ela não fez por mal, nós dizemos muitas coisas que nem sabemos por que, só por sermos influenciados pelos "fantasmas da globalização". Mas agora eu pergunto a você, caro leitor deste blog (se é que temos algum leitor além de nós mesmos), o que é ser radical?
Em primeiro lugar, não sou esquerdista, e não faço apologia a nenhum sistema. Até porque, acredito que o problema não está no sistema, e sim nos seus usuários. Pois bem, outro dia eu pensei comigo mesmo: a sociedade se divide entre os bem sucedidos e os pobres. O empresário não passa com seu Alfa Romeo no bairro pobre, porque lá tá cheio de vagabundo, que vão querer assalta-lo. Então existe alguma coisa mais radical do que o capitaslismo?
Pegando de um ponto econômico, o lucro, objetivo mor do cidadão capitalista, obedece a uma fórmula. LUCRO = ESSENCIAL + SUPÉRFLUO (se SUPÉRFLUO for maior ou igual a 0), ou seja, as pessoas trabalhariam para adquirir seu essencial, e com esforço, conseguiria uma bonificação, o supérfluo, certo? O problema é quando esse supérfluo torna-se mais importante que o essencial. E é aí, justamente nesse ponto, em que eu queria chegar. O capitalismo toca, exatamente e em cheio, no grande câncer do ser humano: a ganância. E é por isso que temos políticos que buscam seus cargos apenas para que possam se enriquecer, empresários contratando funcionários inexperientes e demitindo milhares de pais de familha, agrotóxicos, poluição, garotos que entram para o tráfico pois trabalhar o dia inteiro por um salário mínimo é motivo de vergonha. É o homem carcando o homem, o tempo inteiro, sem parar, na velocidade 5.
Escrevi esse texto apenas como forma de desabafo, pois eu sei que é muito dificil mudar de opinião quando se mora num condomínio de luxo, quando se pôde comprar um apartamento num bairro de classe média alta, ou até mesmo quando graças ao Plano Real foi possível comprar a geladeira e o fogão dos seus sonhos. Não espero uma mudança de atitude de ninguém, pois meu pessimismo não permite isto. A humanidade não só é doente, como também é retardada.

Ouvindo: Rage Against The Machine - Calm Like a Bomb