sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Cotas

Esse post foi apenas mais um desabafo. É difícil conversar civilizadamente com pessoas hoje em dia.


Fato é que recentemente a UFRJ admitiu a introdução de cotas Sociais (não raciais) no processo seletivo e tal, e estava eu tentando explicar a respeito do valor Fraudulento dessa "mudança".

O problema não são as cotas em si. Mas a mascaração de problemas de ordem muito maiores do que essas.

Pessoas com a preparação da escola pública atual não tem a menor condição de passar no vestibular não à toa. A educação deve ser melhorada na base, não na marra dando vaga de graça pra quem não é preparado.

É a verdade, e é culpa do governo, não nossa. Não há o que negar tampouco eufemizar nisso.

E pensem o mínimo, se um estudante entra numa universidade por cotas, acha que ele vai comprar o material como? E a passagem? E o almoço?

Se não tem bandejão, não tem meia passagem, não tem auxílio material nem vaga de monitoria direito (e quando tem exige CR), como é que querem enfiar essa merda goela abaixo de nós?

Isso se chama TAPAR BURACO. Que nem a CARA. Nem isso eles fazem direito?

A UFRJ concordou em dar essa oportunidade aos desfavorecidos economicamente. Mas ficou bastante claro que ela não pretende abaixar o nível de exigência, pelo menos nos cursos de engenharia, de acordo com o nível dos alunos. Se não tiver preparo que se foda mesmo.
Os outros alunos não podem ter sua educação prejudicada por conta de uma falha do governo.


Só para deixar claro o que quero dizer com Tapar buraco:

Rosinha Matheus é a prefeita atual de Campos dos Goytacazes (Sim, ela foi eleita).
Ela colocou a passagem de ônibus de todas as linhas internas lá a 1 REAL.
Acontece que a diferença é paga pela prefeitura. E o melhor de tudo, ela já era dona da maior viação de lá, pouco antes de lançar essa medida, adquiriu todas as outras viações.

Ela, a prefeita, escolhe quanto ela paga para ela mesma.

De quem vocês acham que é a empresa que prepara as refeições do restaurante de 1 real?



Senhores, deixem de ser tapados. Todas as medidas populistas são de algum modo corruptas.

As cotas são perfeitos atrativos eleitorais, pois eles dão um senso delusional de possibilidade ao cidadão mais pobre.
Qual o número de vagas para cotas? 20%? MENOS?

20% das vagas, que seja. Contem quanto dá isso.

Agora vejam o número de desempregados no brasil, o número de empregos que requerem graduados, o número de empregos que requerem técnicos. Vão e se dêem a esse trabalho. Números não mentem, e falam por si.


Isso não melhora, e que dirá resolve problema algum, senhores.


Mas dá respaldo popular, entre os pobres, ao filho da puta que criou a medida.

Algo engraçado de se notar é que esse é o tipo de corrupção da qual se perde as marcas de pegada. Afinal é culpa do povo apoiar esse tipo de mentira, mas também é culpa do governo não dar educação que preste ao povo, desde novo, para que se haja pontos de vista mais claros. Quando é que vamos todos tentar evoluir para a direção certa todos juntos?

Voltando à questão:

É necessário que se faça novas universidades.
Mas pra isso é necessário contratar mais professores.
Mas pra isso é necessário TER mais professores.
E já se perguntaram quanto um professor ganha?

Sejam sinceros, quantos de vocês continuam sonhando em ser professores depois que descobrem a miséria que é?


Eu gostaria de saber qual o percentual de professores que concorda com a medida das cotas, pois só sei de boca o que conheço a aqui da UFRJ. No caso ninguém concorda.

Mas estão acostumados a ver o governo cagar na cabeça dos profissionais que administram essas instituições, por isso não têm o que fazer. É isso ou é ter que passar o resto do quadriênio chorando por verbas. Profissionais da área de administração e ensino altamente graduados e experientes passaram mais de 20 anos elaborando planos diretores para a universidade como um todo, e o governo torna a fazer isso. Ignorar todos os estudos e cálculos e pedidos de novas salas e turmas e aumentos/incentivos para professores. Professores que fizeram faculdades de licenciatura que duram no mínimo 4 anos e são tão difíceis quanto qualquer outra similar, no entanto não ganham nada. Isso sem contar mestrados e doutorados.

Querem o quê com isso?

Ganhar dinheiro fazendo o povo de otário.

Pois quanto mais burro o povo é, mais fácil fazer de otário, e mais fácil fazer dinheiro.


EDIT: Rosinha Matheus foi cassada, na verdade. HAAHAHAHA
Salve Ficha Limpa.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Hide your kids, hide your wife

Como todos sabem, este blog sempre foi destinado (principalmente) a assuntos de música e filosofia.
Então eu resolvi postar aqui uma das maiores experiências musicas que eu tive nos ultimos tempos, e até filosófica também, por que não?

Esse vídeo mostra um noticiário de algum lugar, em que uma mulher sofreu tentativa de estupro, e seu irmão, o nigga-badass-motherfucker botou o cara pra correr na marra:



Daí algum(s) gênio(s) que eu morri de inveja viu nas falas do doido uma música. Não vou nem mostrar a minha opinião, fica pra vocês isso:



Incrível, né?

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Humor divino

Já viu clube da luta?

Deus sacaneou o homem. E usou o destino de material.
Disse que havia o livre arbítrio.

O homem respondeu, usando do mesmo material, o destino.
Fez uso da autodestruição.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Pai

Este é um post que era de uma idéia para o domingo passado, e não foi postado no dia propositalmente.

É engraçado como eu tenho coisas parecidas com meu pai mesmo sem nunca ter convivido com ele. E mesmo antes dos 18 anos, que foi quando eu passei a me encontrar com ele, eu tinha trejeitos, maneiras de falar, se expressar, idéias e tudo que é interesse parecido com ele.

Quando eu tinha 2 anos e nem sabia falar direito, ele foi pro Japão. Creio que seu senso crítico disse a ele que ele não ia ser um bom pai, e ele decidiu que se não fosse pra ajudar, então melhor não atrapalhar. 

Mas eu acho também é que ele queria conhecer o mundo, e conquistá-lo. Digo isso pois estou descobrindo como é chegar aos 21 anos. E ele teve um empurrãozinho. Muita gente quando tá tudo uma zueira vai e formata o windows e que se foda tudo. No bom sentido.


Eu não sei o que é ter um pai. E não quero nem falar sobre o que eu sei a respeito de ter uma mãe.


Mas eu não vejo isso com maus olhos. Afinal, se você olhar, no final de tudo, o que se aprende é sempre uma bagatela. Sou bom nesse negócio de aprender, mas às vezes falar pra quem tá de fora é fácil, e sempre é possível ir mais fundo.

E eu tive várias "referências" durante a vida. Se foram paternas ou não, sei lá, são classificações inexpressivas da psicologia individual. 

Eu sei é que ter diversidade nessa parada me ensinou a importância da autocrítica: um ponto de vista apenas nunca é o bastante. E com muitas referências, temos muitas coisas a se aprender.


Acho que os pais deveriam passar por uma auto-escola que ensinasse como se criam filhos em conjunto com a escola, obrigatoriamente, toda vez que tivessem filhos. Sob pena de perda da guarda do menor caso não esteja em regularidade.




Na verdade, eu acho a família uma instituição falida. 


Veja bem, eu Acho, e é parecido com o casamento. Quase nunca dá realmente certo, quer dizer, atinge bons resultados. Hoje, precisamos de novos paradigmas e novas formas de instituir a criação, educação e talvez até desenvolvimento da raça. Mesmo porquê segundo Hawkins vão acabar os recursos todos do planeta em breve, então é bom otimizar essa porra.

No modelo 'k-pax'iano, o sujeito era criado por todos, não por seus pais. Pois no final das contas é verdade, e é inegável: não é porque somos filhos de sangue de alguém que temos que escutar toda besteira que esse alguém fala. Pais erram, ficam malucos, bebem, fazem merda. 
E em contrapartida há seres que tentam mostrar algo que preste para as gerações, como os cavalheiros do CQC, da Liga, o Felipe Neto, alguns de seus professores, alguns de seus amigos. O que seus pais dizem é mais verdadeiro do que o que esses caras dizem por causa de... laço de sangue?

Laço de sangue não define porra nenhuma do que nós somos. Talvez uns trejeitos. 

Nós somos uma música. Nosso DNA vai no melhor dizer com que rendimento nossos sentidos vão nos ajudar a interpretar o mundo. No final o veredito é sempre da mente. Por isso não deveríamos ter contas a prestar com só uma meia dúzia de gato pingado, e sim com a sociedade inteira, e sermos Gratos por estarmos dentro dela. Quem não quiser contribuir, pode sair.




Se me dissessem que eu sou igual ao meu pai, entenderia, mas teria de discordar. Ser igual ao meu pai é um fracasso pra mim. Eu estou aqui para ser melhor do que ele. E vou ensinar meus filhos a serem melhores do que eu. Se eu os tiver.


E se eu morrer antes disso, façam os outros lerem meus textos, por favor. 



@felipeneto O maestro que lidera a orquestra dá as costas à platéia.

Todos somos maestros. 
E juntos, formamos uma grande orquestra. 
E tocamos a sinfonia. 
E quem está na platéia? Os mortos? Esperando a Hora de bater palmas, quando estarão prestes a voltar para casa?

De qualquer modo isso não significa que a platéia não faça parte do espetáculo.