quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Capítulo 2 - Para onde todas as coisas vão

Todas as coisas representam ética, e são alguém - ao passo que se tornam política, e então, tornam-se disputa; deixando, então, de ser qualquer coisa. Mas eventualmente voltam a ser.

Eventualmente, neste mundo, os seres se preocupam com o que são, e se encontram no próprio turbilhão de questões respectivo ao seu modo de ser, correto/errado, vantajoso/desvantajoso. E praticam o que são - Mas não o fazem sozinhos. Assim, ética se torna política.

Ora, o problema, caro Ent, como você pode ver, é que, assim que os seres acham que são apenas aquilo que os outros designam, é que a direção desta corrente se inverte. A política deixa de ser função da ética, e a ética passa a ser função da política, e não do próprio ser ao qual deveria servir.

Os seres tendem então a se perder em suas disputas, pois para eles, algumas vezes mais do que outras, o que os outros pensam sobre alguém ou sobre si tem mais importância que o próprio pensamento. Um país se divide durante uma eleição tal qual se divide durante um jogo entre dois grandes clubes rivais, com duração um pouco maior (algumas semanas) apenas.

Você vê, as pessoas acham que o que estão fazendo é tentando descobrir qual o candidato certo; qual o candidato menos pior; qual o mais ou menos desvantajoso; quais posicionamentos são mais ou menos adequados - como se isso fosse uma busca própria pela verdade verdadeira, ou por uma escolha fidedigna ao que acham que são ou como as coisas devem ser, por um instinto de validação de uma existência baseada no que os outros acham de si.

E quando muito o fazem; na maioria das vezes, arbitrariamente escolhem uma bandeira e a defendem com unhas, dentes, piadas infames e ataques sórdidos compromissados em ocultar a verdade propositalmente - o que é bem diferente de apenas ser descompromissados com a verdade. E ambos os lados fazem isso, cada um consultando seu próprio turbilhão de questões véticas e pescando o que conseguem dali para embutir no bojo de todas as questões. Tem que apelar.

Ironicamente, você vai ter a oportunidade de reparar (se, é claro, você não escolher nenhuma bandeira), que o que se faz com esse modo de ser submetido ao outro é que os bandeirantes de A nada conseguem fazer senão reforçar a ambos B e A que já estão certos sobre suas escolhas - ou seja, nem sequer convencem a alguém. No fim, as pessoas acabam escolhendo lados por coação/coerção e  persuasão, e quase nunca por convencimento, do mesmo modo que futebol.

Cara nasce em berço flamenguista, só há alguns cenários possíveis - se torna flamenguista por coerção ou persuasão da família, talvez mude para botafogo por causa da galera da escola (persuasão), quem sabe para o Vasco por causa daquele tio sacana que talvez seja o único que te dá atenção, ou seja, também por rejeição à tentativa de coerção familiar. Ninguém se torna sofredor por motivos racionais, se futebol fosse isso todo mundo torcia pro Barcelona e foda-se o futebol brasileiro.

Do mesmo jeito, na política não tem muito de racional. O que existe é um teatro onde as pessoas fingem se convencer de coisas sobre economia, educação, saúde e direitos como forma de agenciamento, por que todo mundo tá afim mesmo é de sair no lucro no jogo de quem sabe mais o que é melhor pro futuro do país, e desde muito antes já escolheram seus times para torcer.

Em algum momento desses - principalmente se você, ao contrário disso, escolher uma bandeira - você pode se pegar em dúvida a respeito de como tudo isso veio parar aonde está. Outro, caso resista à bandeiragem, pode se sentir impelido a adotá-la. É como se todos os amiguinhos estivessem brincando de pique, e você não. Mas você pára e se pergunta "porra, que que eu ia fazer mesmo?" - como que acordando de um devaneio sobre coisa qualquer que o distraiu na internet enquanto trabalhava; e fica estarrecido quando dá de cara com uma página de pornografia bizarra.

E no fim das eleições, toda essa emoção passa; as pessoas deixam de ser inimigas por razões irracionais, voltam a ser amigas - quem sabe isso também não seja teatro. A ética, quem sabe, passe a não importar mais muito.

Todas as coisas vão parar no gol.

Nenhum comentário: